Loading...

Coronavírus: que cuidados devemos ter com cães e gatos?

O isolamento doméstico mudou a rotina das famílias e trouxe novos desafios e costumes à nossa própria casa. Alguns deles envolvem, inclusive, os animais de estimação. Logo, não é surpresa que muitos donos de cães e gatos estejam preocupados com os seus amigos de quatro patas - especialmente agora, que o distanciamento social nos aproxima ainda mais dos animais de estimação. Mas o que devemos fazer para proteger-nos a nós próprios e a eles? Devemos evitar o contacto excessivo com os animais domésticos durante a pandemia? Devemos continuar a passear com os cães? Como higienizá-los? E o que fazer com os gatos que gostam de passear pela vizinhança?

Por enquanto, ainda não existem informações científicas conclusivas sobre o Covid-19 e os animais domésticos, se estes podem de fato adoecer devido ao novo coronavírus e se há possibilidade de transmissão de animais a humanos. O problema, porém, é que se em contacto com o novo coronavírus, os cães e os gatos podem transportá-lo através do pelo, das patas e do focinho, e, desta forma, representar um risco à saúde das pessoas que convivem com eles.

Além disto, estamos a falar de uma nova doença que gera muitas incertezas e, por isto, a importância em acompanharmos o que as pesquisas e os especialistas estão a revelar. Para ajudar a nossa comunidade a esclarecer as principais dúvidas sobre os animais de estimação e o novo coronavírus, a Yoopies conversou com a médica veterinária Flávia Clare, que explica a seguir as principais orientações a serem respeitadas pelos donos dos animais domésticos.👇

1. Se eu estiver infectado com Covid-19, posso manter contato com os meus animais de estimação?

Não. Uma pessoa contaminada precisa de ser completamente isolada do seu animal de estimação porque o coronavírus pode permanecer na pelo do animal e, consequentemente, transmitir o vírus a outras pessoas saudáveis que também têm contacto com o pet. O distanciamento do animal de estimação, portanto, é fundamental nos casos em que os donos testam positivo para o Covid-19.

2. Quais são os cuidados de higiene recomendados? 

Se o animal não vai à rua e faz as suas necessidades dentro de casa, neste caso, a pessoa ao chegar da rua não deve colocar a mão no cão ou no gato de forma alguma. Primeiro, deve fazer a sua própria higiene (tirar a roupa, jogar a máscara fora, lavar as mãos - os cuidados que todos nós já conhecemos) - e em seguida poderá fazer carinho no pet. Para o animal de estimação, a higiene em casa é normal e o dono deve continuar a dar o número de banhos normalmente recomendado pelo veterinário - dependendo da raça do animal, os banhos podem ser realizados de 15 em 15 dias ou uma vez por mês. Mas, a princípio, se o animal não for à rua, ele não estará a "funcionar como uma superfície" para transportar o vírus.

3. Posso passear com meu cachorro durante uma situação de quarentena ou isolamento social?

O ideal é não passear. A recomendação é que o cão não saia à rua e que fique em casa, porque o vírus pode estar na passadeira, no chão, em pessoas que passam perto dele e eventualmente espirram, tossem, etc. O cão funciona como uma superfície carreadora do vírus, por isso se ele for para a rua o vírus pode ficar na pelagem, na pata ou no focinho do animal que, consequentemente, irá transportar o vírus para dentro de casa. Portanto, o correcto mesmo é não ir para a rua.

Agora, se estamos a falar de um cão que não urina de jeito nenhum em casa, isso pode desencadear um problema, tal como uma retenção urinária e a consequência de uma retenção urinária pode ser cistite, cálculos urinários, entre outros problemas. Por isso, se o animal tem de ir para a rua de qualquer maneira, há alguns protocolos a serem seguidos e que serão explicados na próxima pergunta.

4. Meu cão só faz suas necessidades na rua. Como posso passear com ele em segurança durante a pandemia?

Os passeios devem ser curtos, em períodos de menor fluxo de pessoas, evitando praças, parques ou outros locais com aglomerações e mantendo sempre a distância de pelo menos dois metros de outras pessoas ou outros cães. Nunca entrar no elevador junto com outras pessoas, evitar que o cão deite no chão e não deixar ninguém passar a mão nele. Lembre-se que o cão funciona como uma superfície para carrear o coronavírus, e como não podemos limpar todo o corpo do animal com álcool 70%, temos de ter todos esses cuidados.

Não podemos passar álcool no corpo todo do cão, pois ressecaremos a pele dele, além de poder causar irritação, principalmente se for um cão atópico (cão alérgico). Também não devemos esquecer a possibilidade de o animal lamber e ingerir o produto, o que pode causar intoxicação. Se durante o passeio o cão deitou no chão ou teve contacto com outros animais ou pessoas, o mais prudente é banhá-lo com shampoo ou sabonete neutro. Porém, banhos em excesso também fazem mal a pele dos cães.

A minha orientação é: quando chegar a casa, logo na área de serviço, lave as patas do seu pet por 20 segundos com shampoo ou sabonete neutro para cães ou o shampoo prescrito pelo veterinário. Seque bem com uma toalha e depois utilize um secador com vento frio a morno para deixar as patas e pelos bem secos.

Em casos específicos, como os cães que têm de ir à rua, temos algumas opções: podem ser usados lenços umedecidos manipulados. O dono do animal de estimação pode contactar o seu médico veterinário para obter a recomendação de qual utilizar e como o utilizar. Lembrando que é preciso ter mais cuidado com os cães atópicos (cães alérgicos), pois a umidade e os produtos podem piorar o quadro alérgico do animal.

5. Devo limpar a casa com mais frequência? Devo higienizar mais vezes os ambientes onde o animal passa a maior parte do tempo?

Sim, é preciso ter mais cuidado e, claro, limpar a casa com mais frequência. No entanto, sabemos que a limpeza doméstica tem de ser muito cuidadosa, porque alguns produtos de limpeza podem causar irritação na pele dos animais, especialmente se forem atópicos. Por isso, evite limpar os ambientes dos animais com produtos de limpeza agressivos, pois isso pode causar irritação da pele, agravar o quadro alérgico e intoxicá-los.

*Estas são recomendações baseadas nos trabalhos publicados até hoje. O Covid-19 é um novo vírus, vários estudos estão a ser realizados em todo o mundo e a informação é actualizada frequentemente.

À procura de pet sitting? Clique aqui!
À procura de trabalho como pet sitter? Clique aqui!